MOVIE 36: I, TONYA

I, Tonya
Finalmente vi o I, Tonya! Finalmente porque foi em Março que disse que o queria ver e só o vi em Novembro. Antes de começar o filme optei por pesquisar um bocadinho sobre a história que inspirou o filme. Não sei se também o fazem, mas quando eu vejo ou leio algo baseado em histórias verídicas adoro passar um bom bocado a ler sobre o tema ou sobre a história. Neste caso, é a história de Tonya Harding, ex-patinadora e ex-pugilista americana, e acompanha-a desde pequena até ao fatídico dia do ataque a Nancy Kerrigan, no qual o ex-marido de Tonya esteve envolvido.

Deixem-me contextualizar: Tonya Harding tinha apenas 4 anos quando começou a patinagem no gelo e acabou por não acabar os estudos para poder dedicar-se apenas a isso. Em casa, as coisas não eram fáceis: a mãe agredia-a física e psicologicamente. Talvez por só saber viver assim, Tonya casou aos 19 anos com Jeff Gillooly, que também a agrediu física e psicologicamente. Em 1991, Tonya foi campeã dos Estados Unidos e ganhou a medalha de prata no campeonato do mundo. Foi a primeira norte-americana (e a segunda mulher em todo o mundo) a conseguir fazer um axel triplo (é um salto com três rotações e meia, de costas). Parecia tudo espectacular, mas Tonya começou a perder a forma física em que estava. 

Apesar de se ter divorciado em 1993, a relação com Jeff era de tal forma atribulada que ela passava a vida a voltar para casa e a sair, sempre com muitas ameaças e sempre com queixas na polícia. É então que começa a loucura e as divergências. Todo o filme é baseado em depoimentos de Jeff e de Tonya, que são interpretados também no filme, e a partir daqui a coisa descamba. Tudo começa com a tentativa de Tonya integrar a equipa dos Estados Unidos que iria aos Jogos Olímpicos de 1994. Na altura, Tonya recebeu várias ameaças de morte anónimas e ela e Jeff pensaram que vinham de Nancy Kerrigan, a maior rival de Tonya na equipa. A decisão que tomaram foi que queriam retribuir o susto... e a partir daqui não há consenso na história.


Tonya afirma que o objectivo era serem apenas cartas, que era aquilo de que ela tinha conhecimento. Mas Jeff pediu ajuda a Shawn Eckardt e este contratou Shane Stant para magoar Nancy. Num dia de treinos, Shawn ficou à espera no parque de estacionamento, mudando o carro de sítio de 15 em 15 minutos, e Shane foi lá dentro e com um bastão bateu nas pernas de Nancy. Quando queria sair ficou tão desorientado que teve de partir uma porta com a cabeça (true story!). Acreditem na versão que acreditarem (Tonya sabia, Tonya não sabia), o filme é bastante bom e a Margot Robbie está incrível. No final talvez fiquem a pensar onde está o limite da ambição e se vale tudo para conseguir o que se quer.

Já viram o filme? O que acharam? Por favor, digam-me que também riram com o outro a partir a porta de vidro com a cabeça!



Esta publicação serve como #10 do Movie 36 (equivalente a Outubro).

Quem também participa no Movie 36
Lyne, Imperium

Francisca, Apenas Francisca
Sónia, By The Library
Inês, Vivus
Vanessa, Make It Flower
Cherry, Life of Cherry
Joana, Jiji
Inês, Wallflower
Abby, Simplicity


1 Theory So Far

A resposta aos comentários é dada na própria caixa de comentários.

Não serão aprovados comentários de carácter ofensivo (para mim, para quem possa estar mencionado no texto ou para os meus seguidores e comentadores) e/ou que atentem contra a liberdade humana. Assim como não serão aprovados comentários que incentivem o ódio.