LIVRO VS. FILME: LOVE, SIMON

love, simon
Estou tão feliz por estar a escrever sobre o Love, Simon! Primeiro, porque queria ler o livro há muito tempo. Depois, porque a história é tão fofinha que só quero partilhá-la com o mundo. E que história é esta? O Simon tem um segredo: é homossexual e a única pessoa que o sabe é Blue, o correspondente anónimo que mantém por e-mail. Simon não sabe ao certo o porquê de ainda não ter contado, até porque acredita que tanto os pais como os amigos iriam aceitá-lo bem, mas, mesmo assim, ele ainda não disse a ninguém... excepto Blue. Blue postou uma mensagem no Tumblr da escola secundária e Simon enviou-lhe um e-mail e as trocas de mensagens tornaram-se regulares. O problema está no dia em que Simon usa um computador da escola para enviar uma resposta a Blue e se esquece de terminar sessão. Quando o Martin usa o computador, vê os e-mails e decide usá-los como forma de chantagem.
love, simon
A premissa é a mesma para o livro e para o filme, com a pequena diferença de, no filme, termos primeiro algum contexto antes de o Martin falar com o Simon, enquanto no livro a primeira cena é logo o Martin a tentar chantagear o Simon. Há mais algumas diferenças entre o livro e o filme, como é óbvio, logo no endereço de e-mail do Simon, mas também em algumas referências culturais e no filme o Simon tem apenas uma irmã. São diferenças perfeitamente normais, nada de extraordinário. Aquilo que eu mudava no filme era a lista de pessoas de quem o Simon desconfia e a pessoa de quem a Leah admite gostar lá mais para o final. No livro ele não desconfia uma única vez do Blue certo e eu até gosto de ir descobrindo ao mesmo tempo da personagem. Quanto à Leah, não acho que houvesse necessidade daquela mudança. Mas há uma cena maravilhosa no filme que adorei, que é uma cena onde as personagens heterossexuais têm de coming out perante a família e dizer-lhes que são heterossexuais. Achei uma cena tão engraçada e tão apropriada!

A história é absolutamente deliciosa! O Simon é uma das personagens mais carismáticas que já li, tem um bom sentido de humor e uma voz muito própria, o que torna a leitura do livro muito agradável e dá alguma descontracção tanto ao livro como ao filme. Aliás, a história é fofinha, descontraída, engraçada e sem grandes dramas. Porque, na verdade, não é preciso um drama muito grande para dar uma boa história. Apesar de toda a descontracção, há muita representatividade na história (racial e de orientação sexual) e ainda se fala de bullying. Foi a minha primeira experiência a ler Becky Albertalli, mas gostei muito e já tenho os dois outros livros dela no Kindle (um deles é o spin-off do Simon, desta vez narrado pela Leah, a melhor amiga dele). Dei 5 estrelas ao livro e 4 ao filme.


3 Theories So Far

  1. Tenho cada vez mais vontade de ler o livro e, depois, ver o filme! Histórias destas são sempre bem-vindas, até porque acredito que conseguem mudar mentalidades e quebrar ainda mais barreiras

    r: É o suficiente para eu perceber - e rever-me 💙

    ResponderEliminar
  2. Também fiz um post a comparar o livro e o filme, mas concordo, foram mudanças muito superficiais :).
    Tanto o filme como o livro agrdaram-me bastante, mas achei aquela mudança da Leah um bocado desncessária. A cena do heterossexuais " a sair do armário" foi mesmo cómica xD. Ri-me tanto com aquela mãe que disse " Oh my God, help me Jesus" xD.
    Beijinhos
    Blog: Life of Cherry

    ResponderEliminar
  3. Gostei muito do livro e estou super entusiasmada com o sobre a Leah. O filme enfim... nunca fica à altura, foi agradável, mas com algumas falhas.

    ResponderEliminar

A resposta aos comentários é dada na própria caixa de comentários.

Não serão aprovados comentários de carácter ofensivo (para mim, para quem possa estar mencionado no texto ou para os meus seguidores e comentadores) e/ou que atentem contra a liberdade humana. Assim como não serão aprovados comentários que incentivem o ódio.