BODY SHAMING? VOU JOGAR BEM NA SUA CARA!

anitta - rock in rio
Foto: Rita Sousa Vieira | MadreMedia (from 24.sapo.pt)
Num mundo de influenciadores (um conceito que me faz alguma confusão), em que tudo o que dizemos, vestimos ou partilhamos, principalmente online, tem impacto social, a responsabilidade dos famosos cresce diariamente e aquilo que defendem, aquilo que promovem, tem cada vez mais importância. É por isso que, embora nunca tivesse imaginado que o faria, hoje vou falar da Anitta e do concerto dela no Rock in Rio Lisboa. Eu sei: também nunca imaginei vir aqui falar da Anitta.

A Anitta, a quem muitos chamam diva do funk brasileiro, é um caso notável de marketing. Há uns tempos li um estudo de caso sobre ela e sobre a forma como ela foi construindo a carreira, com atenção a vários pormenores e sempre em conformidade com os objectivos de futuro. É por isso que não me surpreende que, mesmo em concerto, ela tenha plena noção de quais as mensagens que deve passar. E não é só mostrar a bandeira de um projecto ambiental. É escolher a banda, os bailarinos, as roupas. E os bailarinos que acompanharam a Anitta no concerto do RiR fazem parte do plano dela para promover a representatividade e para mostrar o quanto ela (e quem trabalha quem ela, mesmo que ela seja a maior estrategista da própria carreira) tem noção da responsabilidade que a profissão dela lhe dá.
Foto: Rita Sousa Vieira | MadreMedia (from 24.sapo.pt)
Ainda assim, fiquei surpreendida com a diversidade de bailarinos que a acompanharam, principalmente a nível feminino. É que não é em todos os concertos que temos bailarinas de todas as cores, todos os tamanhos e todos os feitios. E a Anitta tinha bailarinas de vários tamanhos e vários tons de pele. Qual a importância disto? A mensagem de poder feminino que passa é a de que não importa a cor ou o tipo de corpo, cada mulher tem o direito de se divertir, de dançar, de se sentir bem na sua pele e até de fazer tanto twerk quanto quiser. Parece pouco? Não é. Ainda há a ideia de que uma mulher para ser bonita e para ser sexy tem de ter um determinado tipo de corpo e que, caso não tenha, deve envergonhar-se disso e evitar mostrar o corpo ou parecer feliz com ele. E não é assim que deve ser.

Depois do concerto da Demi Lovato, por exemplo, vi um comentário no Twitter sobre uma das fotografias dela no Rock in Rio, em que diziam que ela estava gorda e que estava melhor quando sofria de anorexia. É algo horrível de dizer, principalmente porque estão a dizer que ela estava melhor quando estava doente. E isso não acontece só a quem é conhecido mundialmente. Quantas vezes não ouvimos comentários sobre como engordámos ou emagrecemos, sobre como o nosso corpo é e como devia ser?

A importância da escolha das bailarinas da Anitta assenta precisamente aqui. Ao fugir aos padrões, aos corpos quase perfeitos, a Anitta mostra que quem a única opinião que importa em relação ao corpo de uma mulher é a opinião dela própria e o importante é sentirmo-nos bem na nossa pele, não importa como ela é. Talvez não precisasse da Anitta para falar disto, mas achei que era uma boa desculpa. Sintam-se bem no vosso corpo. E se não sentirem, então trabalhem para o mudar, de forma saudável. O mais importante será sempre vocês gostarem de vocês.


4 Theories So Far

  1. Olha. E eu que nem gosto assim tanto da moça (só da musiquinha ocasional) dou-lhe mesmo muito valor por isto! Grande estratégia, e grande mulher!

    Jiji

    ResponderEliminar
  2. Foi uma excelente atitude da parte dela, porque, lá está, passou uma mensagem consciente e extremamente importante. Não tive a oportunidade de ver o concerto, mas dá-me gosto saber que isto aconteceu. Num mundo em que ainda se valoriza muito o aspeto exterior, onde ainda se tenta impor um certo padrão, é bom perceber que há quem procure quebrar estas barreiras

    ResponderEliminar
  3. Ela está de parabéns por esta atitude, devia haver mais pessoas assim.
    Beijinhos :)
    https://dailyvlife.blogspot.com

    ResponderEliminar
  4. Que grande exemplo que ela foi para outros artistas :). Passou uma mensagem de inclusão e quebrou os típicos padrões de beleza. Fez uma grande diferença não só num mundo que valoriza muito um certo padrão, mas num meio (a indústria musical) em que só escolhem determinadas mulheres para dançar em concertos e aparecer em videoclips.
    Esse comentário que fizeram à Demi é mesmo nojento. Dizer a uma pessoa que estava mais bonita quando estava doente. As pessoas perdem completamente a noção!
    Beijinhos
    Blog: Life of Cherry

    ResponderEliminar

A resposta aos comentários é dada na própria caixa de comentários.

Não serão aprovados comentários de carácter ofensivo (para mim, para quem possa estar mencionado no texto ou para os meus seguidores e comentadores) e/ou que atentem contra a liberdade humana. Assim como não serão aprovados comentários que incentivem o ódio.