SEM QUERER, TORNEI-ME UMA PESSOA DE MANHÃS

morning person
Nunca gostei de acordar cedo. Depois das 9h era o ideal para mim e, sempre que podia, dormia até às 10h30, 11h. Não por me deitar tarde, mas porque gostava mesmo de dormir até tarde. Na verdade, até ir para Lisboa, não tinha o hábito de me deitar tarde. Partilhei quarto durante praticamente a vida toda e, por isso, estar acordada até depois das 23h, 23h30, era algo raro e complicado. Como só tive internet em casa durante o secundário também não havia essa componente a atrasar o meu sono. O mais tarde que me lembro de deitar foi uma vez em que fiquei sozinha em casa e uma ou outra vez em que fiquei a trocar mensagens com um amigo até para aí à 1 da manhã. No entanto, de manhã, adorava dormir até tarde.

Depois fui para Lisboa. Comecei a deitar-me muito mais tarde, muitas vezes porque tinha coisas da faculdade para fazer, mas também porque o hábito pegou rápido e, por isso, deitar-me antes da uma ou duas da manhã era raro. Mesmo que tivesse aulas de manhã. Dormia pouco, mas quando podia continuava a dormir até bem tarde. Se isto fazia com que eu não gostasse de manhãs, o facto de acordar sempre com algum mau humor e com pouca vontade de conversar ajudava a que eu acreditasse que era uma pessoa de noites e não de manhãs.

Não cuidei muito bem de mim durante a faculdade, principalmente no último ano, mas quando fiz a pós-graduação, em que tinha aulas à noite, tentava sempre acordar por volta das 10h para não sentir que "perdia" horas do dia. Mas não era fácil. Na verdade, quando não tinha obrigações que me faziam acordar cedo sentia que não valia a pena fazê-lo. E no ano passado eram raras as vezes em que tinha obrigações matinais por isso para quê acordar cedo se podia perfeitamente ficar na cama até mais tarde?



CONTA-ME HISTÓRIAS: ANO NOVO NOS AÇORES

conta-me histórias
Agora que começou não há volta a dar: ontem publiquei o primeiro dos 12 contos a que me desafiei este ano. O projecto Conta-me Histórias começou oficialmente ontem e, como prometido, hoje falo-vos do processo de criação do conto. Planeio fazer sempre assim: publico o conto num dia e no dia seguinte falo do processo aqui. Podem estar atentos nas minhas redes sociais (@asofiaworld no Instagram, Twitter e Facebook) para saberem tudo. Antes de começar, e porque o que se segue contém informações sobre o conto, se ainda não o fizeram, podem e devem:




6 SÉRIES DE LIVROS PARA COMEÇAR/CONTINUAR

séries de livros
Aqui há uns dias estava a ver o vídeo da Pam sobre as séries de livros que ela planeia continuar a ler este ano e comecei a pensar nas séries de livros que eu quero continuar ou começar este ano. Apontei todas e lembrei-me de que seria giro partilhar aqui também. Na verdade, não acho que sejam todas para este ano, porque são muitas, mas fica a ideia. Já agora, podem dizer-me se já leram alguma ou mesmo quais as séries de livros que querem continuar ou começar em breve.


PRECISO DE PARAR DE ME SABOTAR

auto-sabotagem
Já perdi conta ao número de vezes em que me obriguei a parar e repetir vezes sem conta: precisas de parar com isto, Sofia, precisas de parar com isto. E preciso. Preciso de parar de me sabotar. Preciso mesmo. Mas não é tão fácil quanto eu gostaria. De vez em quando lá vou eu começar a pensar em coisas parvas que acabam comigo a sabotar por completo o que quero fazer.

Além de sofrer um bocadinho de síndrome do impostor, visto que nunca reconheço o valor do meu trabalho no blog ou na escrita no geral, muitas vezes sinto que o medo me prende e faz com que eu nem sempre tenha coragem para apresentar projectos e ideias novas no momento em que devia. Ou tenho medo de falhar, ou tenho medo de que não seja bom o suficiente, ou começo a pensar que não vale a pena e que vou ficar sem ideias. Um bom exemplo disso é o projecto Conta-me Histórias, que era uma ideia que existia há muito tempo, mas eu arranjava sempre desculpas para não a concretizar: não sei escrever contos, ninguém quer ler os meus contos, não é uma boa ideia, não resulta neste formato, etc., etc. Até que decidi que ia apresentá-la de qualquer forma. Começo a acreditar que mais vale tentar os formatos todos que apetece tentar. Se correr mal faz de conta que não aconteceu nada. Se correr bem ainda vamos agradecer a audácia do momento. Foi mais ou menos essa a minha filosofia para começar os vídeos no YouTube.



THE BIBLIOPHILE CLUB: ESTÚPIDA, EU?

estúpida, eu? - camila coutinho
Quando comecei a descobrir o mundo dos blogs muito do que eu seguia era brasileiro. O Garotas Estúpidas foi um dos primeiros blogs com que cruzei, longe de imaginar que a criadora, a Camila Coutinho, se ia tornar numa das maiores referências do Brasil e do mundo. No ano passado, a Camila publicou o primeiro livro e confesso que estava curiosa para o ler e ficar a conhecer melhor o percurso dela até ao momento. Já tinha o ebook há alguns meses, depois de ter aproveitado uma promoção, mas ainda não tinha criado vontade para o ler.