VÍDEO: RESPONDI ÀS PERGUNTAS QUE ME FIZERAM NO INSTAGRAM!

perguntas do Instagram
Inicialmente, quando me lembrei de pedir que me fizessem perguntas nas Stories do Instagram (@asofiaworld), o objectivo era só um: procrastinar. Mas depois lembrei-me de que o que era mesmo giro era responder às perguntas em vídeo! E foi o que aconteceu! Fartei-me de falar e até acabei por cortar algumas perguntas por serem temas sobre os quais não acho interessante falar ou por se inserirem em algumas ideias que quero desenvolver em breve. No final, são 13 minutos e 13 segundos de vídeo, com um ataque de riso, uma branca a meio de uma resposta e até uma interrupção estranha.

Quero aproveitar para agradecer a quem já subscreveu o canal e a quem tem visto os vídeos. Sei que ainda estou longe de fazer algo profissional e tal, mas o esforço está cá e espero que compense.



É DIFÍCIL CONCILIAR VÁRIOS GÉNEROS DE ESCRITA?

conciliar escrita
Irrita-me muito quando parece que, a nível de escrita, ou tenho uma coisa ou tenho outra. Como se fosse impossível ter as duas ao mesmo tempo. Porque parece que ter ideias e escrever para o blog é incompatível com ter ideias e escrever para projectos literários. Não acho justo, sinceramente. De certa forma, é como se não conseguisse desligar um género e ligar o outro sempre que quero. And that sucks.

Tenho sentido que não se trata apenas de ter uma rotina de escrita, mas também de ter uma rotina de géneros... e não sei como a criar. Escrever num blog exige um tipo de escrita e de trabalho diferente, normalmente tendo sempre em conta umas quantas dicas imprescindíveis de SEO, com temas que não costumam exigir tanto como escrever literatura. Um projecto literário prolonga-se por vários dias, semanas, meses. Tem várias fases. Uma publicação num blog não funciona assim. E tenho dado por mim a pensar que às vezes é demasiado difícil conciliar ambos. Se me dedico mais a um sinto que o outro vai sofrer com isso e não é justo. Fico sempre a sofrer por um deles. Deve ser assim que os pais com mais de um filho se sentem, não é? Talvez não.

Ainda estou a tentar equilibrar os vários tipos de escrita de que gosto e, sinceramente, não tenho dicas a partilhar. Não, hoje não sou eu a partilhar dicas. Hoje é a vossa vez: como é que se organizam para escrever vários géneros literários? Também sentem que é difícil conciliar géneros diferentes e ter ideias para todos ao mesmo tempo? 


COMEDIANS IN CARS GETTING COFFEE

comedians in cars getting coffee
Já se sabe que a Netflix tem um mundo de escolhas dentro dela: centenas e centenas de filmes, séries, documentários e, até, talk shows. Ainda quero falar de alguns documentários interessantes que podem ver lá, com vários temas, mas antes tenho de falar do programa que me acompanhou durante um mês: Comedians in Cars Getting CoffeeNão é difícil perceberem de que se trata, não é? O Jerry Seinfeld convida um comediante (ou alguém que ele acha que tem piada) para dar uma volta num carro escolhido para cada episódio e depois vão beber café. Enquanto tudo isto acontece, há uma conversa sobre os mais variados temas, uns mais sérios, outros mais engraçados.

Comedians in Cars começou por ser uma webseries do Crackle, um serviço de streaming semelhante à Netflix, que penso que existe como canal de televisão também. As primeiras nove temporadas foram transmitidas lá, até que a Netflix comprou a produção e fez a décima temporada. Dos episódios originais só um não está na plataforma, mas facilmente encontram online, porque foi feito com o Jason Alexander enquanto George Costanza para um anúncio publicitário. Os outros, embora ordenados de forma diferente, estão todos à espera de que os vejam. São episódios curtos, com duração entre os 15 e os 30 minutos, e entre os convidados já estiveram nomes como Larry David, Michael Richards, Sarah Jessica Parker, Barack Obama (enquanto ainda era presidente), David Letterman, Julia Louis-Dreyfus ou a Ellen DeGeneres.



A IMPORTÂNCIA DA LITERATURA YA

the upside of unrequited
Tenho lido muitos livros destinados ao público young adult. E quanto mais leio mais percebo o quanto o mundo precisa de boa literatura para públicos mais jovens, desde a literatura infantil, infanto-juvenil e jovem adulto. Mas deixem-me falar-vos do último livro que terminei, o The Upside of Unrequited, ou, em português, Os Altos e Baixos do Meu Coração, da Becky Albertalli. Lembram-se do Love, Simon? Este livro passa-se, a nível temporal, logo a seguir aos acontecimentos desse livro e algumas das personagens têm pequenas participações nesta história.

O Upside of Unrequited é contado pela Molly Peskin-Suso. A Molly é uma miúda bem humorada que já teve 26 paixonetas ao longo da vida... mas nunca beijou um rapaz. Ela e a irmã gémea, Cassie, são muito diferentes, mas sempre foram melhores amigas. No entando, a Cassie arranja uma namorada, Mina, e rapidamente começa a tentar juntar Molly a Will, um dos amigos de Mina. Mas Molly, embora ache que Will é bonito e interessante, tem alguns receios porque nunca beijou ninguém e não sente que se vá apaixonar por Will. Ao mesmo tempo, conhece Reid, o seu colega de trabalho, que é uma espécie de nerd, um bocadinho deslocado, de quem ela se torna amiga. O ponto de contacto com o mundo do Simon é que a Molly e a Cassie são primas da Abby Suso. A Abby até tem algum destaque na história, porque sempre foi próxima das primas, e o Simon e o Nick também dão um ar de sua graça. O livro é maravilhoso. Adorei a Molly e o papel dela enquanto narradora e achei o livro muito ao nível do Simon vs. the Homo Sapiens Agenda, com temas importantes e uma história fofinha. Enquanto o lia, como seria de esperar, não consegui parar de pensar o quanto a literatura para jovens adultos é importante.




MAS ISTO DOS VÍDEOS É PARA CONTINUAR?

from the blogs to the vlogs
Sinto que ando a usar muitas perguntas nos títulos das minhas publicações e pergunto-me se será resultado de um mundo de dúvidas que habita na minha vida ou se é mesmo porque é tão giro fazer perguntas que tenho de as fazer logo no início. Felizmente, ao contrário das questões anteriores, é mais fácil responder a esta: sim, isto dos vídeos é para continuar!

Ainda estou a lutar contra o meu instinto de olhar para o visor e não para a lente. Ainda estou a tentar perceber se consigo um cenário mais interessante. Ainda estou a pensar em temas para vídeos. Ainda não sei quanto tempo vai durar. Mas a verdade é que gostava de experimentar, até ao final do ano, publicar pelo menos dois vídeos por mês. Não que me sinta propriamente à vontade a falar para uma câmara, mas tem sido divertido fazê-lo e, principalmente, tentar pensar em vídeos que me consigo ver a fazer. Já consegui arranjar forma de reduzir um bocadinho o ruído de fundo, resultado de ter de gravar com microfone da câmara, e já sei que o próximo vídeo a gravar é um Q&A! Alargar a zona de conforto, para mim, é isto. Com o tempo vai melhorar. Fizeram-me várias perguntas no Instagram e achei que era giro responder em vídeo. Ainda não sei quando vou gravar, mas podem deixar perguntas nos comentários, se quiserem.