DIGAM OLÁ À LADY B!

Outubro foi, para mim, excepcionalmente longo. Pareceu durar cerca de 367481367831 dias. Talvez porque no dia 6 fui conhecer esta menina e tive de esperar até dia 30 para ela vir cá para casa. Parecia realmente que o dia 30 nunca mais chegava! Mas deixem-me contar-vos a história toda.

Como sabem, a minha Dama morreu há dois anos. Depois de longos meses de luto, comecei a tentar mentalizar a minha mãe para a realidade de que eu queria outra cachorrinha. Ou cachorrinho. As respostas dela mudavam constantemente: sim, não, qualquer dia. Desisti e decidi que, por algum tempo, não ia haver melhor amigo de quatro patas. Talvez quando vivesse sozinha... provavelmente daqui a 28748928942 anos. Mas algo decidiu intervir a meu favor. A minha mãe trabalha num Centro de Dia e uma das senhoras a quem entregam refeições tinha uma cachorrinha mas queria dá-la porque é demasiado enérgica para ela e porque a senhora não estava descansada sabendo que, se lhe acontecesse alguma coisa, a cachorrinha podia acabar abandonada. Ela tentou convencer a minha mãe. A minha mãe disse que ia pensar. Mas esperava outra solução. Passaram longas semanas. Até que a minha mãe decidiu finalmente aceitar e levar-me a conhecer a cachorrinha. Isto foi no dia 6.

Dizer que ela é enérgica é dizer pouco, porque ela mal parou quieta, mas também há que ver que fez 2 anos no dia 16, por isso ainda é uma criança com muita energia para gastar. Agora vem a parte que eu tenho dito a toda a gente que é prova do destino da situação: não sabíamos o nome dela e, por isso, ficou decidido que, se não fosse um nome de que gostássemos, íamos mudar. O nome escolhido foi Blue. Até descobrirmos que a cachorrinha se chama Lady. Chorei um bocadinho, é certo, porque... como negar a evidência de que a Lady tinha de vir para a família que teve a Dama? Claro que não fiz por menos e tive de lhe dar um segundo nome e, por isso, vai ficar Lady Blue.

A Lady B só pôde vir dia 30 cá para casa porque, como íamos passar dois dias fora, não era uma boa opção ter de a deixar no hotel canino quando ainda estaria em fase de adaptação. Apesar de todos os receios naturais de adoptar um cão que não é bebé, estou muito feliz por a ter cá. Planeio gravar um vídeo sobre o assunto e falar um bocadinho mais sobre a adaptação dela, por isso vai haver muitas oportunidades de falar sobre ela. Podem até deixar perguntas! Agora só queria mesmo apresentar-vos o novo membro da família. Claro que, se tiverem dicas para ajudar na transição e adaptação, podem partilhar!



Entretanto, uma pequena informação: estou novamente sem computador. Desta vez morreu mesmo, só sobreviveu o disco. Não sei ao certo quando volto a ter um, mas espero na próxima semana receber essa informação. Tal como já disse algumas vezes, não é fácil para mim criar as minhas publicações no telemóvel ou em tablet porque são normalmente longas e as fotografias editadas em Lightroom. Esta, por exemplo, já estava escrita, o que foi uma ajuda porque só tive de tentar terminar no telemóvel. Posto isto, o blog vai ficar paradinho durante uns dias (espero que poucos), mas vou continuar a trabalhar para novo conteúdo, mesmo de forma mais old school. A sério, Outubro foi mau tecnologicamente...


CANAIS DE YOUTUBE PREFERIDOS #2

canais youtube
Tal como prometido, hoje trago-vos a segunda parte da minha lista de canais de Youtube preferidos. Depois da primeira parte, a lista de hoje inclui mais seis canais e ainda um pequeno extra, com canais que também visito regularmente. À semelhança da lista anterior, esta também tem canais de vários temas, por isso pode ser que, caso ainda não conheçam, tenham aqui mais hipóteses a juntar às vossas subscrições.



MY NEXT GUEST NEEDS NO INTRODUCTION

my next guest needs no introduction with david letterman
O meu género jornalístico preferido é, sem qualquer dúvida, a entrevista. Se for bem conduzida, soa a conversa. E eu gosto de ouvir as conversas. É por isso que hoje vos venho falar de um programa de conversas: My Next Guest Needs No Introduction, com David Letterman, que está disponível na Netflix. É um programa de seis episódios (mais um especial), cada um com uma hora de duração, em que a conversa está tão boa que não queremos que acabe.

Em cada episódio há um convidado diferente e cada convidado traz dezenas de temas à baila, dos mais sérios aos mais engraçados. O primeiro episódio estreou no dia 12 de Janeiro de 2018 e os restantes saíram nos meses seguintes, um por mês, à excepção do penúltimo, do último e do especial, que saíram todos em Maio. O primeiro convidado foi o presidente Barack Obama, seguiu-se o George Clooney, a Malala Yousafzai, o Jay-Z, a Tina Fey e o Howard Stern. Há, ainda, um episódio especial com o Jerry Seinfeld.



ESSENCIAIS DE BELEZA PARA AS ESTAÇÕES FRIAS

Essenciais beleza Outono/Inverno
Quando o Outono começa a dar ares de Inverno e depois se segue o Inverno é inevitável: chegou o frio e, com ele, pele mais seca, lábios a sofrer e pouca vontade de tirar a roupa para tratar de nós. No entanto, tal como no resto do ano, é importante fazê-lo. É claro que, durante o tempo frio, não aplico creme todos os dias. Há dias em que está demasiado frio para eu fazer mais do que trocar do pijama para a roupa normal (e vice-versa) o mais rápido possível, tentando algum recorde de Guinness. Mas, também tenho de o dizer, quando a pele está a precisar de atenção não me importo nada de lha dar. Hoje venho falar-vos de alguns produtos que acho importantes para as estações mais frias.


IN MEMORIAM

em memória da minha melhor amiga, que morreu há dois anos.
in memoriam
Seria possível a um cão [...] mostrar aos humanos as coisas realmente importantes na vida? Eu acreditava que sim. Lealdade. Coragem. Devoção. Simplicidade. Alegria. E também as coisas não importantes. Um cão não tem necessidade nenhuma de carros sofisticados ou de casas sumptuosas ou de roupas da moda. Os símbolos de status não lhe dizem nada. Um pau lambido pelo mar serve perfeitamente. Um cão não julga os outros pela cor da pele, credo religioso ou classe social, mas sim por o que elas têm dentro de si mesmas. Um cão não se interessa em saber se somos ricos ou pobres, educados ou iletrados, burros ou inteligentes. Dêem-lhe o vosso coração que ele dar-vos-á o seu. As coisas são na realidade bastante simples, e no entanto somos nós, os humanos, muito mais sábios e sofisticados, quem tem sempre dificuldade em discernir o que é realmente importante.


in Marley & Me, de John Groban