COISAS QUE TÊM MESMO DE SER DITAS

Os últimos dias têm sido difíceis. Podia dizer-vos o contrário, mas a verdade é mesmo esta. Tenho pensado em muita coisa sobre a vida e a morte. Sobre as dores que atenuam mas não passam, sobre como a vida nos atraiçoa e sobre como nem sempre conseguimos ter forças para lutar contra tudo que sentimentos e nos magoa, contra os demónios que nos atormentam durante anos, durante uma vida.

Eu sei, eu sei. Agora a moda é ter blogs onde só se fala do lado bom da vida, onde as vidas são perfeitinhas e tudo corre tão bem que acabamos por nos sentir na merda por não termos uma vida tão agradável e desafogada de preocupação. No entanto, por mais filtros que coloquemos naquilo que publicamos, tenho cada vez menos paciência para estas vidas blogosféricas perfeitas. A vida não é perfeita e a mania cada vez mais comum de virem com tentativas de lições de moral e de inspiração não torna ninguém melhor.

Em bom português: às vezes a vida é uma merda. Se não o sabem então ainda bem para vocês! Mas a verdade é que nos últimos dias tenho pensado muito sobre muitas coisas e tenho visto muitas coisas que me têm irritado profundamente. Portanto, e porque a blogosfera não pode ser só vidas bonitas e perfeitas, tenho de dizer umas coisas, para o bem da minha sanidade mental... e para o vosso bem também.

- Não têm de gostar de Linkin Park e do Chester. Não têm mesmo.

- Mas têm de respeitar o luto de quem gosta deles.

- E para o respeitarem não precisam de gostar deles.

- Tal como não precisam de ser fãs para lamentar a morte do Chester.

- Mas também não precisam de dizer que é a vossa banda preferida ou o vosso cantor preferido só porque o Chester morreu.

- Podem simplesmente dizer "gostava da banda" ou "gostava de algumas músicas". Ninguém vos julga se ficarem tristes mesmo que não seja a vossa banda preferida.

- Tentarem dar lições aos outros sobre depressão, doenças mentais e suicídio sem terem conhecimento de causa sobre o assunto não costuma cair muito bem.

- Principalmente porque - desculpem lá qualquer coisinha - nem sempre o procurar ajuda é suficiente para tratar depressões e outras coisas do género.

- Também fica muito mal num dia estarem todos em modo somos tão boas pessoas, não gozamos com ninguém, temos de respeitar os outros e ajudá-los e no dia seguinte estarem a gozar com as pessoas que estão em sofrimento ou a criticá-las. Respeitem o luto dos outros, porra!

- Eu sei que aquela velha coisa de um artista morrer e as vendas de álbuns e afins dispararem nem sempre é bem aceite. No entanto, cá entre nós, se querem conhecer melhor o trabalho de um artista ou de uma banda, o que importa se é só porque o artista morreu? Se calhar vão descobrir a música da vossa vida e aí quem vai lamentar são vocês... por não terem ouvido antes.

- O suicídio não é um acto de egoísmo.

- O Chester não consumia drogas há vários anos.

- O Chester (e os Linkin Park) era bastante solidário (pesquisem por Music for Relief). Egoísta não é algo que o defina.

- Não tenho amigos que sejam fãs* da banda e os fãs que conheço são apenas pessoas com quem já troquei palavras pelas redes sociais. No entanto, sigo várias comunidades de fãs e tem sido maravilhoso ver a força que transmitem entre eles e que transmitem às pessoas que os seguem e precisam de ajuda a lidar com tudo.

*refiro-me a fãs mesmo, não a pessoas que ouviam de vez em quando ou que gostavam de uma música ou outra

- Se quiserem homenagear o Chester, estão a ser organizados encontros em Lisboa e no Porto (pelo menos). Não consigo estar presente e, onde estou, não conheço mesmo quem queira realizar uma homenagem, mas se quiserem estar presentes têm informações no evento do Facebook. Se não puderem estar presentes, façam a vossa própria homenagem, mesmo que estejam sozinhos. Façam aquilo que vos fizer sentido fazer.

- Parem lá com as suposições sobre o futuro da banda. Sinceramente, nem sei como é que têm paciência para pensar nisso. Eles precisam de fazer o luto deles e o futuro da banda não é algo com que eles devam preocupar-se neste momento. Nem eles nem vocês, sinceramente.

- Acima de tudo, tenham noção e respeito.

- E se precisarem de falar com alguém, falem. Têm o meu e-mail aqui e podem também procurar-me nas redes sociais. Na realidade também não sei se tenho fãs dos Linkin Park a seguir-me, mas isto também resulta para os que conhecem fãs: estejam lá para eles. As quatro ou cinco mensagens que recebi ajudaram-me um bocadinho, principalmente uma delas.


4 Theories So Far

  1. Sou fã incondicional da banda e o chester era (é e será!) o grande amor da minha vida. Foram 10 anos a acompanhar os LP, todos eles. Uma vida.
    Na quinta estava muito feliz, até que recebi a notícia. Não queria acreditar. Na realidade, acho que parte de mim ainda não acredita que é real. Caiu-me tudo. Perdi o chão naquele momento. Foi horrível. Continua a ser, após estes dias todos. Doeu, dói, vai continuar a doer. Até ao fim da minha vida. Nunca mais será a mesma coisa, sem ele.
    A banda, ele, faziam parte de mim. Ele deu-me luz, uma felicidade tremenda quando mais precisava. Sempre nos brindou com um sorriso do coração, um amor infinito. Salvou-nos, em tantos momentos. É triste pensar que não conseguimos fazer o mesmo.
    É como perder um braço. No início doi, não estamos habituados àquela parte que nos falta. É estranho e ficamos desajeitados. Depois, com o tempo, aprendemos a viver sem o braço. Custa, sabemos que ele não está lá, mas arranjar-me um jeito de aprender a viver sem. A falta, a saudade está sempre lá, mas aprendemos a viver, a sorrir de novo.
    One day at a time.
    Nós, soldiers, estamos juntos nisto. Nunca vi melhor fanbase. Incrível. Orgulho. E tenho a certeza que o Chester, esteja ele onde estiver, está feliz por esta união (independentemente do motivo). Somos os melhores fãs!
    Um beijinho para ti, com muita força para os próximos tempos.
    "We are the Linkin Park Soldiers and that will never change. Forever and until the end we will always be here for each other." ❤

    (Joana_LP no Twitter. As minhas DMS estão abertas.)

    ResponderEliminar
  2. "Principalmente porque - desculpem lá qualquer coisinha - nem sempre o procurar ajuda é suficiente para tratar depressões e outras coisas do género" isto é tão mas tão verdade Sofia, porque ao contrário do que muitas pessoas pensam, muita gente que sofre de depressão pede ajuda, mas a depressão é uma doença (infelizmente muita gente não entende isto e acha que são manias). Costumo dizer que este tipo de doenças não palpaveis são as piores (escrevi sobre isso há uns tempos), porque para o resto do mundo é muito mais complicado entender um problema psicologico do que um problema fisico como problemas de coração por exemplo e por isso quem sofre de doenças mentais sofre. E sofre muitas vezes acima de tudo em silêncio o que é ainda mais doloroso. Ninguem se suicida porque quer e apesar de já ter batido no fundo não consigo imaginar o sofrimento atroz que alguém pode sentir para tomar uma decisão destas. Não era fã de Linkin Park no sentido de conhecer tudo sobre eles. Fizeram acima de tudo parte da minha adolescência. Mas independentemente de gostar ou não foi alguém que colocou termo à vida por viver num sofrimento atroz e sem dúvida que merece todo o respeito. beijinhos

    Vânia
    Lolly Taste

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Acho que ainda há muita desinformação sobre este tipo de doenças e, às vezes, há alguma dificuldade em percebê-las e desvalorizam-nas por isso. São doenças muito perigosas e tomam conta das pessoas de uma forma tão silenciosa que, infelizmente, em muitos casos, se torna demasiado tarde para ajudar.

      Eliminar

A resposta aos comentários é dada na própria caixa de comentários.

Não serão aprovados comentários de carácter ofensivo (para mim, para quem possa estar mencionado no texto ou para os meus seguidores e comentadores) e/ou que atentem contra a liberdade humana. Assim como não serão aprovados comentários de ódio puro.