¡FELIZ CUMPLEAÑOS, DEAR FERNANDO!
AND A LITTLE BIT OF TORRES: EL NIÑO

Fernando Torres
I was battling with a defender, and the captain's armband I was wearing came loose and fell open. As it hung from my arm, you could see the message written on the inside, in English. We'll never Walk Alone.
Era um jogo da treta. Portugal contra Espanha. Eu ainda não gostava assim tanto de futebol. Estávamos em 2003. Lá pelo meio daqueles jogadores espanhóis estava um tal de Fernando Torres. Não o conhecia. Tal como disse: eu não gostava assim tanto de futebol. Naquela altura gostava mais de Barbies. Uns meses depois, no Euro 2004, o tal Fernando Torres reaparece na minha vida. Aí já gostava mais de futebol. Vi tudo. Adorei-o. Não o voltei a perder de vista.

Claro que não vim aqui falar-vos desta maravilhosa história, mas há vários anos que assinalo o aniversário do Torres um pouco por todo o lado, incluindo no blog, e, por isso, não queria deixar passar o dia em branco. Como desculpa, queria também falar-vos do livro dele, pelo que juntei o útil ao agradável.

Há anos que tento encomendar o livro que o Torres editou em 2009. Há anos que não consigo porque o livro está esgotadíssimo em todo o lado. Na verdade, há anos que tentava. Quando comprei o Kindle decidi optar pela versão digital. Não desisti do formato físico, mas pude finalmente ler o livro completo.

Torres: El Niño - My Story não é uma autobiografia, mas sim um livro de memórias, em que o Torres vai contando alguns episódios da carreira, desde antes de se ter iniciado como jogador profissional do Atlético até ter ido para o Liverpool. É um daqueles livros que nos permitem conhecer melhor a pessoa que estamos a ler, algo que, no caso do Torres, acaba por ser uma grande mais-valia porque ele mantém sempre alguma privacidade e nem sempre há oportunidade de saber o que lhe vai na cabeça.

Neste caso, achei super interessante a forma descontraída como o livro é escrito, com sentido de humor e com um reflexo perfeito daquilo que imagino que seja o Fernando Torres fora dos relvados. O respeito que ele tem pelos colegas, pelos treinadores, por técnicos, fisioterapeutas e até mesmo por funcionários quase esquecidos de um estádio... é realmente bom confirmar aquilo que sempre imaginei.

Ao longo do livro dei por mim a sorrir várias vezes, numa leitura quase urgente, de quem não quer acabar o livro mas não pode parar de ler porque é demasiado bom. O único defeito, sinceramente, é não ter mais páginas. Acho que lia uma série de volumes com mil páginas se fosse tudo assim! Também fiquei com vontade de ler uma continuação quando o Torres se retirar (daqui a muitos anos, espero, porque quero vê-lo jogar antes disso!).

Mas sabem o que é que foi realmente bom neste livro? Ser lembrada a cada página do porquê de gostar tanto do Torres, do porquê de continuar a acompanhá-lo ano após ano. O Torres faz anos hoje. 33. Ontem estava a vê-lo, na vitória excelente do Atleti, e vi toda aquela vontade de marcar, toda aquela vontade de jogar. Às vezes não sei se o admiro mais enquanto jogador ou enquanto a pessoa que vejo. Uma coisa eu sei: tenho a certeza de que nunca me desiludirei com ele. Obrigada e Feliz aniversário, querido Torres!


1 Theory So Far

  1. comecei a gostar dele na mesma altura que tu, somos tão parecidas nisto :p

    ResponderEliminar

A resposta aos comentários é dada na própria caixa de comentários.

Não serão aprovados comentários de carácter ofensivo (para mim, para quem possa estar mencionado no texto ou para os meus seguidores e comentadores) e/ou que atentem contra a liberdade humana. Assim como não serão aprovados comentários de ódio puro.