ME & EARL & THE DYING GIRL [2015]

Movie Review: Me and Earl and the Dying Girl [2015]
Eu nem sei como vos dizer isto sem que soltem um gemido de horror e agarrem o vosso colar de pérolas, ou, pelo menos, levem a mão ao coração para se certificarem de quem ainda não morreram. Mas pronto, cá vai: o tão adorado e badalado Me and Earl and the Dying Girl desiludiu-me. Gostei, mas desiludiu-me. Vamos por partes.

Apesar de a premissa do filme soar a The Fault In Our Stars, foi refrescante ver que estava enganada nesse ponto. O importante deste filme é a amizade, não o cliché de rapariga tem cancro - rapaz apaixona-se pela rapariga com cancro. E ainda bem! Nesse ponto, este filme dá 10 a zero ao The Fault in Our Stars! Quer queiramos quer não, o assunto cancro tem sido muito abordado em filmes e livros e, sinceramente, não sei se isso é bom ou mau.

Neste caso, o filme começa exactamente assim. Rachel é diagnosticada com leucemia e a mãe de Greg obriga-o a fazer amizade com ela e a passar algum tempo na sua companhia, para que ele possa mudar a vida de alguém. Contrariado, Greg acaba por visitar Rachel. Greg é o típico rapaz estranho, praticamente invisível e com um único amigo: Earl, com quem costuma fazer filmes de sátira a outros clássicos do cinema.

Movie Review: Me and Earl and the Dying Girl [2015]
Sem querer desvendar muito sobre o filme, a minha desilusão foi causada pelo excesso de expectativas, garantidamente. Aqueles ai, este filme é mesmo fofinho ou os chorei baba e ranho... bem, nadinha. Não chorei nem uma única vez, nem sequer me emocionei com o final (previsível, embora eu tenha acreditado que não o ia ser). O filme é, de facto, sobre como um filme matou alguém, nada de novo aí. Mas acho que esperava mais. Mais Rachel, mais qualquer coisa. E será que fui a única que, ao perceber, que não ia haver o cliché de se apaixonarem, esperou que o Greg e a Madison se apaixonassem um pelo outro? É que isso teria sido incrivelmente bonito!

Acho que esperava algo que mudasse a minha vida, que me fizesse levantar para ir buscar pacotes de lenços, que me deixasse a pensar na vida... quer dizer, de facto fiquei a pensar na vida, mas foi no facto de nunca ir ver um filme caseiro na vida porque não quero morrer. Ok, ok, eu não volto a tentar fazer piadas.

Apesar desta pequena desilusão, o filme não é mau, ok? Muito melhor do que o The Fault in Our Stars, com uma boa ode à amizade, acima de tudo, e com bons pontos de sentido de humor, sem nunca ter aquele tom fatalista e de oh meu deus, pobrezinha, tem cancro. O assunto cancro foi bem explorado, sem grandes artefactos e com a sensibilidade que merece, mas sempre entrelaçado em pontos mais cómicos e noutros mais dramáticos.


Título Original: Me & Earl & The Dying Girl
Título em português: Eu, o Earl e a Tal Miúda
Elenco: Thomas Mann, RJ Cyler, Olivia Cooke 
Realizador: Alfonso Gomez-Rejon
Ano: 2015
Nota IMDB: 7,8/10
Nota ASW: 7/10


2 Theories So Far

  1. Eu ainda não tive tempo para ver esse filme. Está ainda na lista de espera hehehe
    Beijinhos :)
    dailyvlife.blogspot.pt

    ResponderEliminar
  2. Eu vi esse filme após ler muitas criticas negativas sobre o mesmo e por isso as expectativas não eram muito elevadas. Isso, muito provavelmente, fez com que gostasse ainda mais do filme (8/10).
    Tal como tu, gostei especialmente do facto de não se focalizarem tanto no cancro como fizeram com o filme TFiOS (que, btw, para mim - que li o livro - foi uma desilusão)

    ResponderEliminar