DE SER A OUTRA.

De ser a outra
Confiaste o teu coração a uma pessoa que não o merece. Talvez ele o tenha merecido no início, claro que sim, mas, a partir do momento em que começou a fantasiar com outra pessoa, deixou de o merecer. Então, quando beijou outra pessoa, o teu coração devia ter voltado a correr para ti, devia ter saído das mãos dele. Porque ele não soube cuidar de ti e do teu coração.

Na verdade, e por muito que eu esteja aqui com este discurso bonitinho, eu não posso fingir que a culpa é só dele. No entanto, eu não te conheço, sei tanto sobre ti como sei sobre meter foguetões a trabalhar. E, garantidamente, mais depressa quereria aprender a trabalhar com foguetões. O problema não és tu, sou eu. É que fui eu quem o ajudou a deixar de cuidar do teu coração. E não digo que o merecesses ou que não me importei... pelo contrário: se eu não me tivesse importado, talvez ele estivesse aqui agora.

Mas, minha cara, ele não quer saber. Tu se calhar até o sabes. Se procurares bem no fundo do teu ser, sabes que aconteceu. E sabes que te agarras a uma esperança vã de um futuro que foi condenado. Lamento ser eu a dizer-te isto mas, a não ser que tenhas um fascínio particular por pessoas que te enganam, eu acho que isso não vai durar. Mas quem sou eu para condenar relações? Ah, sim! Eu condenei a tua.

Isto não é um pedido de desculpas, mas talvez devesse sê-lo. No entanto, ensinaram-me a não pedir desculpa caso não me sentisse culpada... e eu não sinto culpa. Desculpa teres de saber isto assim mas a pessoa com quem estás não é quem tu julgas. Talvez não seja quem eu julgo, também. Mas eu vou ser-te sincera: quero tanto saber o que há por detrás daquela figura. Alguém te devia tirar deste filme. Mas isso já não cabe a mim. Cabe à sinceridade e à maturidade de quem não quis saber cuidar de ti. 


5 Theories So Far

  1. Por muito doloroso que seja interiorizar esta ideia, a verdade é que este tipo de situações acontecem tal como o "eu" desta carta descreveu. A culpa, por vezes, não é da outra que desconhecia a entidade da primeira relação, mas sim da pessoa em comum... E as pessoas deveriam pensar um pouco desta forma, antes de criarem qualquer tipo de conflitos...
    Muito bom texto Sofia! É ótimo para uma boa reflexão!

    A Vida de Lyne

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Obrigada! Espero que algumas pessoas reflictam...

      Eliminar
  2. Todos deveriam ler isto. Entende o meu todos como as entidades envolvidas na questão. Um excelente «abre olhos»! <3

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Uma das entidades, pelo menos, devia ler!

      Eliminar
  3. Estás mesmo a falar de ti?

    ResponderEliminar