LET IT BE

Let It Be.
Quando estava no Funchal, no jantar de sábado, a nossa conversa à mesa foi sempre à volta da música. Infelizmente, brequei imenso quando o Cristovinho perguntou que artistas nacionais e internacionais ouvíamos e juro-vos que, por momentos, me esqueci da música que ouvia e até dei por mim a perguntar-me se, de facto, ouvia música. Sim, foi um daqueles momentos parvos em que parecemos tótós e não conseguimos dizer nada de jeito.

Bem, ultrapassado esse momento, consegui mostrar todo o meu esplendoroso gosto musical (estou a brincar, ok?) quando ele perguntou qual a nossa música preferida e eu, depois de os meter a rir ao dizer vossa ou no geral? É que se for no geral não é vossa!, consegui dizer-lhe, orgulhosamente, que a minha música preferida de sempre é a Let It Be, dos The Beatles. Para muita gente, incluindo para eles, escolher uma música preferida é difícil mas, para mim, é simples: Let It Be é aquela música.

Não sei se sabem mas esta música foi escrita por sir Paul McCartney num período complicado da banda, depois de sonhar com a mãe, que tinha morrido uns anos antes. Nesse sonho, a mãe dizia-lhe algo como vai ficar tudo bem e Paul McCartney entendeu a mensagem do sonho como uma forma de o seu subconsciente lhe dizer que todos os problemas se resolveriam e que, de facto, tudo ficaria bem.

Na minha história, Let It Be chega-me no 5.º ano, quando, por eu estar a começar as aulas de Inglês, a minha mãe começou a dizer-me que tinha ouvido a música nas aulas de Inglês dela. Dois anos e pouco depois, foi na "Let It Be" que me refugiei quando a minha bisavó morreu. Nos meus times of trouble, foi a "Let It Be" que me deu alguma esperança. Na verdade, ainda o faz.

"Let It Be" é a música que me faz acreditar que tudo fica bem, é a música que me diz que não há nada no mundo, por mais complexo que seja, que não se resolva, que não há dor no mundo que não consiga ser atenuada. Ouvir a "Let It Be" é ter o coração cheio, é sentir arrepios e querer chorar de tanta força que esta música consegue transmitir-me.

Eu não expliquei isto ao Cristovinho porque, na verdade, não consegui. Eu nem conseguia dizer-lhe que raio de artistas é que ouvia quanto mais explicar-lhe isto tudo! No entanto, aqui está. Miguel, se me estás a ler, a história é esta! E eu queria ter-te dito que ouço Arctic Monkeys, Linkin Park, Coldplay, Maroon 5, Richie Campbell, David Fonseca, entre outras dezenas de artistas! Aaaah, e acho que também já consegui escolher a minha música preferida dos D.A.M.A!


P.S.: Quando tiver a minha casa vou arranjar um quadro destes!

E já leram a entrevista que fiz aos ÁTOA? Está aqui à vossa espera!

Image Credits | Pinterest


Share Your Theory

A resposta aos comentários é dada na própria caixa de comentários.

Não serão aprovados comentários de carácter ofensivo (para mim, para quem possa estar mencionado no texto ou para os meus seguidores e comentadores) e/ou que atentem contra a liberdade humana. Assim como não serão aprovados comentários de ódio puro.