mais um dia em vão no jogo em que ninguém ganhou

Nunca gostei de participar em jogos sem conhecer as regras. Gosto de saber como se joga, como se ganha, como não se faz figura de parvo. Não tenho grande jeito para jogos mas também não costumo jogar. Há dias descobri um jogo. Parecia o jogo ideal, o jogo de que eu precisava: perigoso, sensual, novo para mim. Não sabia as regras mas quis jogar. Decidi arriscar, dar um passo em frente e jogar sem saber como jogar, como ganhar, como sair daquele campo de jogo sem me lesionar. Estava confiante de que haveria uma vitória da minha parte. Não poderia ser assim tão difícil jogar contra uma pessoa e ganhar. Mas era.

Tentei fingir que não estava a jogar contra duas pessoas, uma delas com clara vontade de me dar uma vitória, a outra sem saber que estava a jogar. Pergunto-me como estará a pessoa que não sabe que este jogo existe. Quis jogar para ganhar e achei que o tinha feito. Foi um jogo demorado, exigiu toda a minha fé depositada num copo vazio. Mas avancei, com calma, a medir os passos. Achei que tinha ganho. Ainda mais quando expulsei o meu oponente do campo. Achei que tinha ganho. Nunca considerei que aquilo não era o fim do jogo. Achei mesmo que o jogo acabava quando um de nós saísse de campo. Mas ali estava ele, a abandonar o jogo, eu a declarar-me vencedora e o jogo ainda mal tinha começado.

Tenho a certeza de que o jogo continuou a decorrer durante mais algum tempo. Agora suponho que tenha terminado. Estamos a jogar há vários dias. Eu não ganhei, tu não ganhaste. É mais um dia em vão no jogo em que ninguém ganhou. Não percebo as regras do jogo, não sei como é que saí lesionada de um jogo que pensei ter ganho e que, supostamente, me tinha dado o título de rainha do mundo.

Não gosto deste jogo. Dou por mim a questionar tudo, a questionar mais do que aquilo que me diz respeito. Pergunto-me qual será o meu papel neste jogo. Na verdade, não sei se tenho, de facto, um papel aqui. Pergunto-me quantas peças não terão já passado por aqui. Quero acreditar que não há mais, mas não consigo. Este jogo está cheio de batotas, de traições, de foras de jogo. Quantas peças são precisas para jogar? Como é que se ganha? Como é que saio daqui sem me lesionar ainda mais? 

No meio disto tudo tenho pena da peça que continua em jogo sem saber sequer que começou a jogar. Como é que se esconde um jogo destes? Como é que se vive num jogo destes? Sei que ele é o rei do jogo e que, na verdade, nunca fui rainha. Nem princesa. Quero o game over. Não quero mais vidas neste jogo. Quero sair da montanha russa. Quero acabar com este jogo. Quero que me deixe sair. E espero que a consciência lhe pese como pesa a mim. Afinal, ninguém me mandou jogar com profissionais. 



Inspiração do título: O Jogo, do Tiago Bettencourt


6 Theories So Far

  1. Acredita que com aos profissionais, não consegues ganhar. Mas também não consegues que te ganhem, especialmente quando decides atirar a bola fora de jogo.
    Não vale a pena jogar até esse jogo chegar ao tempo limite porque, independentemente do resultado apresentado, os pontos acumulados por jogos anteriores fazem sempre com que percas.
    A melhor forma de ganhar sem os disputar de novo, é começando um jogo novo.
    Mas desta vez, não jogues sozinha. Joga só quando tiveres alguém a jogar a teu lado, como uma equipa.
    Beijinhos.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. "Joga só quando tiveres alguém a jogar a teu lado, como uma equipa." - boa resposta, muito boa!

      Eliminar
  2. "No meio disto tudo tenho pena da peça que continua em jogo sem saber sequer que começou a jogar. Como é que se esconde um jogo destes? Como é que se vive num jogo destes? Sei que ele é o rei do jogo e que, na verdade, nunca fui rainha. Nem princesa. Quero o game over. Não quero mais vidas neste jogo. Quero sair da montanha russa. Quero acabar com este jogo. Quero que me deixe sair. E espero que a consciência lhe pese como pesa a mim. Afinal, ninguém me mandou jogar com profissionais."
    Gosto tanto ��

    ResponderEliminar
  3. "Mas ali estava ele, a abandonar o jogo, eu a declarar-me vencedora e o jogo ainda mal tinha começado." Gosto tanto desta frase! Escreves super bem...adorei o texto e o aspecto ambíguo que ele tem. Tens imenso jeito! :)
    Beijinhos e fico à espera do teu próximo post! Fiquei fã!

    Comecei a seguir-te ;) Faz também uma visita ao meu blogue e espero que gostes do que tenho publicado por lá..
    http://nuancesbyritadias.blogspot.pt/

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Muito obrigada! Fico muito feliz por teres gostado! :)

      Eliminar

A resposta aos comentários é dada na própria caixa de comentários.

Não serão aprovados comentários de carácter ofensivo (para mim, para quem possa estar mencionado no texto ou para os meus seguidores e comentadores) e/ou que atentem contra a liberdade humana. Assim como não serão aprovados comentários de ódio puro.